image1 image2 image3

HELLO I'M JOHN DOE|WELCOME TO MY PERSONAL BLOG|I LOVE TO DO CREATIVE THINGS|I'M PROFESSIONAL WEB DEVELOPER

BASTARDOS: O SOM VIBRANTE DE TARANTINO


A empolgação do filme foi tamanha, o histórico de blockbuster de Tarantino não é muito bom, levar multidões é algo difícil de acontecer em seus filmes. Desde Pulp Fiction quando as pessoas na febre do Oscar foram assistir nas salas de exibição, na sua metade, mais de 40% do público estava saindo sem entender nada do que tava acontecendo naquele momento. Foi apoteótico e esquisito as mesmo tempo. O cinema então não seria o mesmo depois daquela overdose de Uma Thurman, e da quebra de linearidade da edição fantástica que deu a marca (que é bom frisar, não foi criado por ele esta coisa de desconstruir uma estória para valorizar a estética) Tarantino em seus filmes.


Tarantino e Pitt posam no Festival de Cannes.




No meio do ano passado, Quentin ligou para seu produtor Lawrence Bender dizendo que tinha terminado o roteiro de Bastardos Inglórios, projeto que tinha engavetado desde suas gerências em vídeolocadora, e queria aprontá-lo antes de Cannes. Bender suou frio e disse que sim (por que não né gente). Eles tinham em torno de 10 meses para fazer todo o filme, de sua pré-produção até sua pós-produção, a mágica começou.
Aplaudido de pé no Festival de Cannes 10 meses mais tarde, Quentin Tarantino criou mais uma obra prima (citado com louvor pelo personagem interpretado por Brad Pitt, o Coronel Aldo como o último suspiro da película), intrínseca e ao mesmo tempo com o selo Tarantiniano.
Com um elenco de primeira, Brad Pitt (Aldo) lidera um grupo temido pelos nazistas que o chamam (carinhosamente) de “Bastardos”, que matam com muita gana todos que tem uma suástica em algum lugar do corpo, e se não tiver, crava-se na testa o símbolo indagando querer sempre identificar um nazista quando não uniformizado.
Hans Landa (Christoph Waltz), um dos melhores personagens que Tarantino criou (no seu contraste de um assassino cruel beber leite como se bebe água com aquela sede) é um coronel desconfiado, conhecido como o “Caçador de Judeus” que vê a linda Shosanna Dreyfus (Mélanie Laurent) escapar de sua ira aparentemente educada para que mais tarde, a própria Shosanna gerenciar um cinema no centro de Paris. O “bicho esquenta” quando o cinema da Shosanna servirá de palco para a pré-estréia do filme “O Orgulho da Nação” onde o personagem interpretado por Daniel Bruhnl que massacra vários oponentes num desfile de imagens que faz Hitler pular da cadeira.
O filme transita no que tem de melhor e sensacional no cinema, com homenagens extraordinárias à Sérgio Leoni, John Ford, François Truffaut, John Wayne etc. Com canções que ele soube colocar em cenas de maneira única e fértil onde na trilha participa um Ennio Morricone empolgadíssimo. (Detalhe, a cena inicial com aquele fundo musical e aqueles planos que lembram o "Era uma Vez no Oeste" é de arrepiar). Como um mestre das imagens que saboreia da vingança de seus personagens (que foi levantado em pauta nos principais jornais e revistas daqui do Brasil a questão da vingança) com estilo o qual já vinha inquietamente com Kill Bill, um açucarado desespero gritante de que o cinema é esta jóia que poucos lapidam com esta segurança e certeza de que ele não falhará aos olhos do cinema, e que o público que se dane. Além de fazer meras citações (que não deixam de ser homenagens) aos grandes cineastas Europeus no período da Guerra dando credibilidade ao que era o cinema naquela época com um trabalho de pesquisa bem verossímil para não contrariar os mais puristas, como G.W. Pabst e Leni Riefensthal. Um final EXTRAORDINÁRIO e frases (daqui a pouco jargões) que demorarão a sair de nossas cabeças, Bastardos Inglórios pode-se dizer que é a obra-prima do novo cinema mundial e que estas novas mentes terão que se curvar a um novo mestre.

Quando eu crescer, quero ser que nem Quentin Tarantino, por que não!


A trilha Sonora...

1. Nick Perito - The Green Leaves Of Summer
2. Ennio Morricone - The Verdict / Dopo La Condanna
3. Charles Bernstein - White Lightning
4. Billy Preston - Slaughter
5. Ennio Morricone - The Surrender
6. The Film Studio Orchestra - One Silver Dollar
7. Zarah Leander - Davon Geht Die Welt Nicht Unter
8. Samantha Shelton and Michael Andrew - The Man With The Big Sombrero
9. Lilian Harvey & Willy Fritsch - Ich Wollt Ich Waer Ein Huhn
10. Jacques Loussier - Main Theme From Dark Of The Sun
11. David Bowie - Cat People / Putting Out Fire
12. Lalo Schifrin - Tiger Tank
13. Ennio Morricone - Un Amico
14. Ennio Morricone - Rabbia E Tarantella





Nota: 10

Share this:

CONVERSATION

1 comentários:

Difundir disse...

Olá,

Estamos montando um cadastro de blogs relevantes segmentados por assunto.
Caso tenha interesse em incluir o seu blog gratuitamente neste cadastro basta nos enviar uma mensagem para blogs@difundir.com.br informando o endereço do seu blog, e-mail de contato e assuntos que são abordados no seu blog.

Abraço,
Sergio
blogs@difundir.com.br
www.difundir.com.br